TRE-RO acata representação do PL e multa empresa Real Time Big Data por pesquisa irregular ao Governo

331
Tribunal Regional Eleitoral (TRE) julgou por unanimidade procedente representação do PL contra Pesquisa da BIg Data (Rede Record de Televisão)

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Rondônia, por unanimidade, julgou procedente nesta sexta-feira (29/07) representação eleitoral movida pelo PL contra o Instituto de Pesquisa Real Time (Rádio e Televisão Record), aplicando multa a empresa por divulgação de pesquisa irregular. A Real Time foi multada juntamente com a empresa contratante, segundo relatório do juiz Edenir Albuquerque, por divulgação de pesquisa sem preenchimento dos requisitos.

Segundo o juiz Edenir, é obrigação da empresa apresentar e depositar no sistema do TSE, em 24 horas, as informações necessárias como forma de garantir o equilíbrio do pleito eleitoral.

“Omitir informações traz obscuridade ao pleito eleitoral e informação à população”, disse o juiz José Vitor em seu voto, acrescentando que o ato praticado foi “uma violação grave, mas que a empresa não apresentou resistência e retirar o material publicado”. Ele acrescentou: “os elementos de informação da pesquisa são cruciais dentro do processo eleitoral para aferir a condição econômica das pessoas entrevistadas”.

ENTENDA O CASO

Segundo apurou o site valoremercadoro.com.br, a pesquisa apontou o governador Marcos Rocha (União Brasil), candidato à reeleição, na liderança ao governo. No último dia 11, o Ministério Público Federal (MPF), através da Procuradoria Regional Eleitoral de Rondônia, apresentou manifestação favorável à representação eleitoral proposta pelo diretório do PL, em face da Real Time Mídia e Rádio e Televisão Record SA, em razão da divulgação irregular de pesquisa de intenção de voto.

Pela pesquisa, Marcos Rocha (União Brasil) tinha 32% das intenções de voto, contra 18% de Marcos Rogério (PL) e 10% de Léo Moraes (Podemos).

Segundo o procurador regional eleitoral, Bruno Rodrigues, “a Resolução do TSE nº 23.600/2019 determina que seja indicado o número de eleitores e eleitoras pesquisados em cada setor censitário, requisito que no entender do MPE não foi cumprido na pesquisa, pois a menção de 1.500 entrevistados constante no ID 79216677 diz respeito ao total de pessoas entrevistadas e não por setor censitário”.

Ainda de acordo com o parecer, a pesquisa deve ser considerada como não registrada. “Pelo exposto, a Procuradoria Regional Eleitoral manifesta-se pela procedência da representação, com a confirmação da liminar deferida e aplicação de multa prevista em lei”, disse Bruno Rodrigues em sua conclusão.

SUSPENSÃO IMEDIATA

No mês passado o diretório do PL rondoniense recorreu à Justiça eleitoral e teve acatada a suspensão imediata da divulgação da pesquisa por considerá-la irregular e “nociva ao interesse público”.

À época, o juiz eleitoral Edenir Sebastião Albuquerque da Rosa, do Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia, acolheu representação proposta contra o instituto de pesquisa e a Televisão Record S/A, que divulgou os dados.

Em sua decisão o TRE já havia reconhecido que a pesquisa não era confiável por conter “erros graves”, ao não apresentar dados obrigatórios, o que foi ratificado agora pelo MPF de Rondônia, prevalecendo a suspensão da divulgação dos resultados, sob pena de multa diária de R$ 1.000,00 (mil reais), podendo chegar a R$ 100.000,00 (cem mil reais).

LEIA AINDA:

Instituto Big Data errou nas eleições de 2018 ao pontuar Marcos Rocha com 5% | Valor & Mercado RO

Fonte: Valor&MercadoRO

Deixe seu comentário
Publicidade