Projeto de privatização de trechos da BR-364 não contempla Estado do Acre

A BR-364 é considerada um importante corredor logístico para o fluxo de exportação do Arco Norte

8
Ponte do Rio Madeira, na região da Ponta do Abunã, vai impulsionar o escoamento da produção agrícola

O Ministério dos Transportes quer leiloar, neste ano, dois lotes de rodovias federais que cortam o estado de Rondônia. A expectativa é de que as concessionárias que vencerem as disputas invistam cerca de R$ 15,9 bilhões na melhoria das três rodovias que o governo pretende abrir mão.

Leia também: Duplicação da BR-364 e regularização fundiária estão entre as prioridades de Rondônia | Valor & Mercado RO (valoremercadoro.com.br)

No ano passado, a Confederação Nacional dos Transportes (CNT), divulgou um panorama do cenário das condições das rodovias brasileiras. Entre as piores rodovias do Brasil aparecem a BR-364, no trecho acreano, entre as cidades de Cruzeiro do Sul e Acrelândia, e a AC-010, entre a capital do estado, Rio Branco, e a histórica cidade de Porto Acre.

Trecho da BR-364 entre

Trecho em obras da BR-364 entre Rio Branco e Cruzeiro do Sul

Leilão só em Rondônia

O projeto de concessão  — inédito para uma rodovia federal em Rondônia — está em análise no Tribunal de Contas da União (TCU) e beneficia o trecho da BR-364 que liga Porto Velho, capital de Rondônia à Vilhena.

Segundo o especialista em projetos privados Rodrigo Petrasso, o leilão da chamada Rota Agronorte, a exemplo de outros 12 previstos para 2024, indica que o governo quer priorizar a melhoria da infraestrutura responsável por escoar parte significativa da produção agrícola brasileira.

“Quando a gente observa a distribuição geográfica dos 13 leilões que vão ser realizados, a gente percebe que tem um foco no escoamento de produção do Centro-Oeste. A gente tem a BR-364, por exemplo, Porto Velho-Vilhena, que é a Rota Agronorte; a gente tem a BR-153, que vai de Goiás para Minas Gerais; a BR-070; a BR-060. Todas elas voltadas a criar canais de escoamento a partir de Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, em direção ao litoral, buscando a viabilização de uma malha rodoviária que permita o escoamento, para a exportação das commodities“, afirma.

A BR-364 é considerada um importante corredor logístico para o fluxo de exportação do Arco Norte. A rodovia, que se inicia em Cordeirópolis-SP, corta o país de forma diagonal.

Por ela ocorre o transporte de grãos até Porto Velho, capital de Rondônia, de onde a produção parte pelo Rio Madeira e depois pelo Rio Amazonas. De acordo com o Ministério dos Transportes, pela BR-364 devem passar 12 milhões de toneladas de grãos em 2024.

O trecho que deve ir a leilão compreende 729 quilômetros, entre Vilhena e Porto Velho. Os investimentos devem superar os R$ 8 bilhões e servirão, por exemplo, para a duplicação de 113 quilômetros de asfalto. A expectativa é de levar o projeto a leilão no segundo semestre deste ano.

Em um segundo leilão, o governo pretende ofertar outros trechos da BR-364. O primeiro, entre o entroncamento da rodovia com a BR-435, em Vilhena, até a divisa com Mato Grosso. O segundo, da divisa RO/MT até o entroncamento com a MT-235, em Sapezal, Mato Grosso.

Fazem parte do mesmo leilão trechos das BRs 174 e 070, ambas em Mato Grosso. Ao todo, o Ministério dos Transportes estima R$ 7,7 bilhões em investimentos nas rodovias desse segundo lote.

Concessões rodoviárias em 2024

Em todo o país, o governo pretende fazer 13 leilões de rodovias ao longo do ano. A expectativa é de que as futuras concessionárias invistam cerca de R$ 122 bilhões nessas BRs durante o período de validade dos contratos.

Fonte: Brasil 61 e Redação Valor&MercadoRO

Deixe seu comentário