Propriedade de petista é invadida por famílias sem terra

161
Famílias sem terra invadiram propriedade de petista no Mato Grosso do Sul. Foto: WattsApp

Em meio ao desgaste político do governo com a invasão de três fazendas da Suzano pelo aliado histórico MST, o PT voltou a entrar em rota de colisão com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra após integrantes do grupo terem endossado a ocupação da propriedade de um dirigente do próprio partido.

Na quarta-feira, 8, indígenas Guarani-Kaiowá se apropriaram da Fazenda Inho, imóvel rural de mais de 300 hectares do presidente do diretório petista em Rio Brilhante (MS) José Raul das Neves Junior. É a segunda vez que a propriedade foi tomada pela etnia apenas neste mês.

A retomada das invasões de terras pelo MST, como ocorreu com a Suzano na Bahia, se tornou uma preocupação para o Executivo entre outras coisas porque joga por terra o discurso de campanha do presidente Lula, que alegara que os sem-terra não entravam em propriedades produtivas. Em entrevista a VEJA em janeiro, o ministro da Agricultura Carlos Fávaro havia afirmado ter recebido garantias de que não haveria ocupações em terras não-ociosas, mas até o momento fracassou a tentativa do governo de mediar a contenda entre o movimento e a Suzano.

No caso do município sul-matogrossense, os invasores, embora tenham recebido acenos de solidariedade do MST, são outros. A fazenda Inho está no meio de uma briga judicial com os Guarani-Kaiowá, que alegam que a propriedade do petista está dentro da Terra Indígena Nhanderu Laranjeira, em processo de demarcação. Antes das ocupações de março, os indígenas haviam sido despejados três vezes da mesma área.

Fonte: Veja

Deixe seu comentário