Operação da PF prende 19 pessoas em Porto Velho ligadas ao traficante Jarvis Pavão

26

Da reportagem local – A operação “Pavo Real” deflagrada nesta quinta-feira pela Polícia Federal em Porto Velho resultou na prisão de 19 pessoas ligadas ao traficante Jarvis Pavão, informou no final da tarde de hoje (27) a assessoria de imprensa da Superintendência da PF em Rondônia. Os nomes dos presos não foram divulgados pela polícia.

Jarvis foi apontado como associado da facção criminosa paulista Primeiro Comando da Capital e é, segundo investigadores, “o rei da fronteira entre Brasil e Paraguai”. Também foi investigado por envolvimento na morte do traficante Jorge Rafaat, em uma disputa pelo controle do tráfico na região. Desde agosto do ano passado, está na Penitenciária Federal de Brasília, após ser transferido do presídio de Porto Velho.

Foram presos mulher, mãe, filhos e outros familiares do traficante Jarvis Pavão. Segundo a Polícia Federal,  foi possível a apreensão de bilhetes no presídio federal de Porto Velho, na qual Jarvis Pavão redigiu de próprio punho, a listagem de imóveis ligadas ao grupo criminoso. A PF informou que são cerca de 300 imóveis listados. Pavão vai responder por 56 atos de lavagem de ocultação de imóveis, por organização criminosa, associação pelo tráfico e evasão de divisas.

Os familiares do preso faziam uso de veículos de elevado valor, alguns inclusive blindados. Estes carros eram registrados em nome de terceiros ou de familiares, com objetivo de não deixar lastro financeiro. Segundo a PF, durante investigação foi descoberta a existência de armas de fogo no interior dos imóveis de luxo e também por seguranças contratados “em decorrência de uma declarada guerra pelo controle do tráfico de drogas e armas entre familiares do interno e grupos criminosos rivais”. Este grupo estaria atuando na fronteira do Brasil com o Paraguai.

Ao todo, foram bloqueados R$ 300 milhões das contas bancárias de 96 investigados, entre pessoas físicas e jurídicas, além do sequestro de 50 imóveis. A Justiça Federal também ordenou a suspensão da atividade comercial de 22 empresas que, segundo a PF, eram usadas para a movimentação dos valores ilícitos.

Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Rondônia e foram cumpridos também nos estados de Rondônia, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Santa Catarina. A operação ainda contou com o apoio do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e da Receita Federal.

Segundo a PF, as apurações começaram em fevereiro de 2019, quando quando ele estava na Penitenciária Federal de Porto Velho.

Jarvis Pavão

Jarvis Chimenes Pavão era, segundo a Justiça brasileira, um dos principais fornecedores de cocaína do país. De acordo com a Polícia Federal, já foi condenado a mais de 60 anos de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro e tráfico internacional e drogas.

Em 2009, começou a cumprir pena no Paraguai, após ser condenado também no país vizinho. Em junho de 2016, foi considerado suspeito da morte do traficante Jorge Rafaat, em uma disputa pelo controle do tráfico na região da fronteira.

Fonte: valoremercadoro.com.br e G1

Deixe seu comentário