Governo Lula traz desânimo a empresários e falências crescem 56% em 2023

2689
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante posse da nova presidente do Banco do Brasil, Tarciana Medeiros. Foto: Rodrigues Poezzebom/Agênia Brasil

No primeiro mês do novo Governo Lula, o número de falências requeridas em janeiro atingiu o maior nível em três anos. Foram 72 pedidos no mês passado, ante 46 em 2022 e 40 em 2021, segundo um levantamento da Serasa Experian.

Os pedidos de falência geralmente acompanham o de recuperação judicial e refletem dificuldades financeiras. Normalmente, observa o economista Luiz Rabi, da Serasa Experian, a falência é usada como instrumento de pressão. Uma empresa pede a falência de outra, da qual é credora, para receber o que lhe é devido.

Mas também há casos nos quais esse instrumento jurídico é usado como medida extrema. O primeiro estágio é a companhia ficar inadimplente, diz o economista.

O segundo é quando a companhia pede recuperação judicial. Isto é, quando consegue a proteção da Justiça para negociar as dívidas e os prazos de pagamentos.

O terceiro estágio é quando não há mais alternativas, e a falência é decretada.

Fonte: R7

Deixe seu comentário