Para conter desequilíbrio financeiro, Energisa adere a conta-Covid-19

22

Da reportagem local – Para conter o desequilíbrio financeiro nas distribuidoras causado pela pandemia, as 11 concessionárias do grupo Energisa aderiram a conta Covid-19,  um mecanismo criado pelo Governo Federal para conter o desequilíbrio financeiro nas distribuidoras causado pelo coronavirus. As concessionárias, segundo apurou o site Valor&MercadoRO, vão pedir um valor de até R$ 1,35 bilhão, que corresponde a 78% do valor máximo da operação definido pelo órgão regulador.

Segundo a diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o processo dará liquidez ao setor elétrico. Além, da Energisa, outras distribuidoras aderiram a conta Covid-19.

Em Rondônia, a Energisa enfrenta alguns obstáculos junto aos poderes. Tramita na Assembleia Legislativa projeto de Lei do governo do Estado solicitando autorização para perdão de dívida de  Energisa de R$ 1,3 bilhão devidos em impostos. A dívida real seria de R$ 2 bilhões e o Estado, estaria abrindo mão de R$ 1,3 bilhão.

Ainda na Assembleia Legislativa, a empresa é alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que visa apurar indícios de irregularidades na aferição de medidores de energia. A CPI deve finalizar os trabalhos nos próximos dias.

O deputado Alex Redano, presidente da CPI, tem pressa em concluir o relatório o mais rápido possível. Os trabalhos foram suspensos em função da pandemia, mas o deputado já anunciou que vai concluir os trabalhos antes do recesso parlamentar, previsto para iniciar no próximo dia 15.

Conta-Covid

Além da Energisa, outras empresas aderiram a conta Covid. A Enel Distribuição São Paulo anunciou ontem em comunicado o mercado, que aderiu a conta-Covid-19. A concessionária requisitou acesso para até R$ 1,38 bilhão. Em postagem em uma rede social, a diretora Elisa Bastos comemorou o encerramento da etapa de adesão à conta. Segundo ela, foram enviados 61 termos de adesão, sendo 50 concessionárias e 11 permissionárias, com um valor total requerido de R$ 14,8 bilhões, que representa 92% do limite de captação aprovado, de 16,2 bilhões.

“É mais uma etapa cumprida nesse importante processo que visa reduzir o impacto dos reajustes tarifários de 2020 e dar liquidez ao setor elétrico”, escreveu a diretora.

A Equatorial Energia também anunciou a adesão das suas distribuidoras no Pará, Maranhão, Piauí e Alagoas à conta-Covid. A soma dos valores no grupo chega a R$ 1,29 bilhão. O Pará vai ficar com a maior fatia, de R$ 527 milhões; Alagoas vem em seguida, com R$ 325 milhões; Maranhão teve solicitação de até R$ 245 milhões e o Piauí teve o menor valor, de R$ 19 milhões. De acordo com a empresa, os valores informados consideram projeções para despesas de Parcela “A” no período de junho a dezembro deste ano. A Equatorial Piauí pretende captar a antecipação de Parcela “B”.

No Rio de Janeiro, a Light aderiu a conta e solicitou até R$1,326 bilhão, de acordo com o limite estimado pela Aneel. A distribuidora vai seguir trabalhando para o reconhecimento dos efeitos extraordinários da pandemia como ativos financeiros no seu resultado operacional.

Na última sexta-feira, 3 de julho, foi a vez da EDP revelar que suas distribuidoras em São Paulo e Espírito Santo também aderiram a conta. O total é de até R$ 573,7 milhões, sendo que a EDP São Paulo vai requisitar R$ 354.288.089,00 e a EP Espírito Santo, R$ R$ 219.423.404,00. O montante representa 92% do valor total estabelecido.

* Com informações do Canal Energia

Deixe seu comentário
Publicidade