O sinal de alerta foi aceso. O que vão fazer para apagá-lo?

"A luz do sinal de alerta foi acesa por quem lida diretamente com o abastecimento de gás hospitalar, a empresa Cacoal Gases, que atende vários municípios em Rondônia"

12

SOLANO FERREIRA

Pelas noticias que chegam às redações, Rondônia está ainda por viver sua fase mais aguda da pandemia do novo coronavírus, a mesma que se abateu sobre Manaus em janeiro deste ano: a falta de oxigênio para suprir os hospitais para atender os pacientes infectados que desenvolveram a Covid-19. Por falta do produto, centenas de pessoas morreram asfixiadas na capital amazonense. É fato que se nada for feito para antecipar essa crise que se avizinha, o caos se aprofundará ainda mais no sistema de saúde do estado, que já está muito impactado com a demanda crescente por novos leitos.

A luz do sinal de alerta foi acesa por quem lida diretamente com o abastecimento de gás hospitalar, a empresa Cacoal Gases, que atende vários municípios em Rondônia. Em documento enviado ás prefeituras que atende, o comunicado é curto e grosso: só há gás suficiente para 15 dias. A correspondência é datada do dia 10 de março, o que nos leva a crer que agora só restam gás para mais 12 dias.

O problema, explica a empresa, reside na falta dos insumos necessários para a fabricação do oxigênio, como o nitrogênio, o dióxido de carbono (CO2) e o argônio, entre outros. Sem esses produtos não há como se produzir o oxigênio hospitalar para atender os pacientes que evoluíram para a fase aguda da doença.

Esses insumos são necessários para manter a produção diária e o abastecimento deles é feito por indústrias do Sul, Sudeste e Nordeste. Ocorre que elas já deixaram de programar novas remessas para atender os clientes, o que leva a um iminente desabastecimento de gás hospitalar em Rondônia.

O acesso à correspondência expôs o problema que agora não está mais restrito aos gabinetes fechados, suplantado por pilhas de papeis ou jogado ao esquecimento numa lixeira virtual. Pois bem, a pergunta que não quer calar é: o que está se fazendo para evitar que o agravamento da crise com a falta de oxigênio torne-se uma realidade por aqui?
Vão fazer como fez a União no caso Manaus, quando o Ministério da Saúde já sabia com antecedência de 10 dias do desabastecimento e nada fez para evitá-lo? Ou vão se mobilizar para resolvê-lo? O sinal de alerta foi acesso. E agora, que vão fazer para apagá-lo?

O AUTOR É JORNALISTA

Deixe seu comentário
Publicidade