Governo estima ampliar investimentos a microempreendedores populares

As linhas de crédito do Proampe são de baixo custo, ou seja, a taxa de juros anual é a Selic, mais 1,25%.

3
Avenida 7 de Setembro, no centro comercial de Porto Velho,

Até o mês de dezembro de 2021, o Governo de Rondônia estima ampliar de R$ 9 milhões para R$ 50 milhões o volume de investimentos diretos a microempreendedores populares, formais e informais com atividades produtivas de pequeno porte. A execução do microcrédito é da Superintendência Estadual de Desenvolvimento Econômico e Infraestrutura (Sedi). Do total de 120 mil empresas ativas atualmente em atividade no Estado, mais de 90% são constituídas por pequenos e microempreendedores individuais.

Pequenos e microempreendores individuais (MEIs) respondem por mais de 50% dos empregos em Rondônia e representam mais de 20% do Produto Interno Bruto (PIB), de R$ 45,78 bilhões, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“É uma meta audaciosa, porque os recursos vêm do próprio sistema privado”, disse o superintendente Sérgio Gonçalves, observando que esses grupos “são muito representativos na geração de empregos e levam o Estado a consolidar sua política indutora do desenvolvimento”.

O dinheiro é facilitado pelo Programa de Apoio às Micros e Pequenas Empresas e Empreendedores de Pequenos Negócios do Estado de Rondônia (Proampe), lançado em fevereiro deste ano para estimular as atividades econômicas, com a competitividade sustentável para empreendedores de pequenos negócios. Esse programa funciona nos moldes do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) do Governo Federal.

Tornar essa política inclusiva faz parte das prioridades governamentais. “O governador, Marcos Rocha, pretende ampliar com a máxima efetividade os resultados, e assim temos trabalhado o acesso ao crédito, mantendo segurança em relação ao risco”, explicou o superintendente.

As linhas de crédito do Proampe são de baixo custo, ou seja, a taxa de juros anual é a Selic, mais 1,25%. Segundo Sérgio Gonçalves, o Programa trabalha hoje para ampliar o modelo como vinha trabalhando duas décadas atrás.

MAIS EMPRESAS DE VESTUÁRIO E ACESSÓRIOS 

No ano passado, Rondônia totalizou 21.611 empresas em atividade, mais de 2 mil do que em 2019, quando tinha 19.367. Esses dados apurados pela Sedi revelam equilíbrio de pequenos e médios investidores que enfrentaram a pandemia da Covid-19, sem se curvar totalmente aos seus drásticos efeitos.

Para 151 varejistas que fecharam as portas no ano passado, 513 abriram novos estabelecimentos notadamente no segmento de vestuário e acessórios.

Rondônia ganhou mais estabelecimentos do comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios entre março e dezembro de 2020. Segundo a coordenadora de Comércio Exterior, Glenda Hara, o ramo de restaurantes e similares ocupou o segundo posto no ranking dos segmentos mais abertos durante a pandemia

Fonte: Secom

Deixe seu comentário
Publicidade