Número de focos de queimadas no Amazonas atinge recorde em agosto

27
Área incendiada na Amazônia localizada na Operação Verde Brasil. Foto Vinícius Mendonça

O Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) registrou mais de 7,6 mil focos de queimadas na Amazônia nos primeiros 28 dias de agosto de 2020. É 1 recorde para qualquer mês desde que o monitoramento começou a ser realizado, em 1998.

O resultado aponta uma alta de 14,3% em comparação ao mês cheio de agosto em 2019, quando 6.668 focos ativos foram anotados pelo Inpe.

Historicamente, agosto é o mês com o maior número de queimadas no Estado por causa do clima mais seco –indicando esta mesma tendência, o recorde anterior era o de agosto de 2019. A disparada dos incêndios do maior Estado da região amazônica normalmente se mantém em setembro e só começa a perder força em outubro. É no último bimestre que números tendem a baixar com mais ênfase.

Essa é a 5ª vez que os focos ultrapassam a barreira de 5.000 nos 22 anos em que o Inpe realiza o monitoramento. Destas, a única fora de agosto foi em 2015, em setembro. As outras foram em 2005, 2010 e 2019.

No acumulado do ano, os focos de queimadas no Amazonas já somam mais de 10.00o. Outro infeliz recorde: é a 1ª vez em que eles chegam a 5 dígitos nos 8 primeiros meses do ano. Nesse ritmo, podem quebrar o recorde histórico de queimadas em 1 ano, que é de 2005, com 15.644.

Este é o 1º recorde mensal de queimadas no 2º ano do governo Jair Bolsonaro. No ano passado, além de agosto, os incêndios de março também foram os maiores para o período na série histórica.

Comparado 2020 com 2019, agosto é o 5º mês em que o número de queimadas avança, sendo o 3º consecutivo. Em números absolutos, os 8 primeiros meses do ano passado tiveram 8.366 focos. Neste ano, o mesmo recorte mostra 1 aumento de 22,3% nos focos.

 

 

Os dados completos desde 1998, mês a mês, podem ser conferidos no Portal Queimadas, do Inpe.

NOTA DO GOVERNO DO AMAZONAS

O Governo do Amazonas divulgou nota nesta sábado a respeito da situação ambiental no Estado, informando que decretou situação de emergência ambiental e pediu apoio do Governo Federal e das Forças Armadas para ações de combate ao desmatamento na região. De acordo com a manifestação, o combate ao desmatamento e às queimadas é uma prioridade da gestão atual.

Eis a íntegra da nota:

“O Governo do Amazonas informa, por meio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), que tem priorizado o combate ao desmatamento e às queimadas ilegais no estado, mesmo diante da crise da Covid-19.

Tão logo tomou ciência do avanço do desmatamento na pandemia e a consequente ameaça de aumento das queimadas para 2020, o Governo do Amazonas decretou situação de emergência ambiental e solicitou adesão à Garantia da Lei e da Ordem (GLO) ao Governo Federal, para pedir apoio das Forças Armadas em ações de combate.

A medida adiantou em três meses o início da Operação Curuquetê 2, que está na segunda fase de ações articuladas no Sul do Amazonas. Nesta etapa, as ações estão concentradas especialmente no município de Apuí – que lidera o número de focos de calor registrados em 2020 no estado (2,2 mil até 26 de agosto).

Em paralelo às operações em campo, a Sema tem tomado providências para buscar uma melhor estruturação do Estado no combate aos ilícitos ambientais, com a execução do Plano de Prevenção e Controle ao Desmatamento e Queimadas do Amazonas (PPCDQ-AM). Lançado em junho, o plano direciona os esforços dos órgãos do Estado com atuação direta ou indiretamente relacionada às questões ambientais, em ações voltadas para a redução dos índices a curto, médio e longo prazo.

Diante o aumento dos focos de calor, o PPCDQ-AM atua inicialmente na estruturação das ações de comando e controle executadas no âmbito da Operação Curuquetê 2 – que seguirá no sul do AM até dezembro. O PPCDQ-AM inclui ainda ações voltadas para o avanço do ordenamento territorial, com programas incentivos à regularização fundiária e ambiental, e fortalecimento da bioeconomia até 2022, a fim de conter o avanço do desmatamento e queimadas no Amazonas.

Fonte: Poder360
Deixe seu comentário